CRISTINA REGO MONTEIRO
PERFIL

Cristina Rego Monteiro é jornalista formada pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), turma de 1978. Durante a faculdade, fez estágio na Rádio Nacional e começou a trabalhar com telejornalismo na emissora Bandeirantes. Era o início do período de distensão política, mas ainda havia um controle da informação por parte dos censores e de autocensura nas redações.

Quando jovem, fez teatro amador no Instituto Metodista Bennett e cursou, durante alguns períodos, Teatro na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Para Cristina, a experiência com o teatro a levou a ter um bom posicionamento diante das câmeras, boa expressão corporal e desenvoltura em coberturas ao vivo. Ela permaneceu na Band até 1986, quando foi trabalhar na TV Manchete. Durante o período que trabalhou com televisão, acompanhou as mudanças tecnológicas do meio, do uso diversos de câmeras aos critérios de edição: da linear a não linear.

Nas emissoras, Cristina alternou as experiências de repórter, repórter de vivo, repórter especial e apresentadora de telejornal. A sua trajetória na televisão lhe rendeu premiações como o Prêmio Wladimir Herzog”, em 1982, com a matéria “Corredores da Justiça”, uma denúncia sobre as condições do sistema penitenciário brasileiro, transmitida em rede nacional pela TV Bandeirantes. Em 1983, foi considerada a melhor repórter do Carnaval do Rio de Janeiro, pela Rede Bandeirantes de Televisão. Em 1984 e 1985 foi vencedora dos Prêmios Momo de Ouro pelas coberturas carnavalescas.

Em 1993, seguiu para a Central Nacional de Televisão (CNT). Apresentou o programa diário CNT Opinião, com interatividade entre os convidados no estúdio e o público que participava com perguntas. Em 1997, a emissora demitiu grande parte do Departamento de Jornalismo em decorrência de crise financeira. Cristina resolveu seguir novos caminhos.

Ela foi trabalhar na Assessoria de Imprensa da Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro (RIOTUR), o que a levou a profissionalizar o trabalho de assessoria, principalmente a cobertura do Carnaval. Ficou na Riotur por quatro anos, até 2001. Depois, trabalhou na Agência Nacional de Saúde Suplementar.

No ano de 2002, Cristina ingressou no doutorado no Programa de Pós-Graduação de Comunicação, da UFRJ. Em 2005, defendeu a tese “A pauta jornalística e suas mediações”, na qual faz uma defesa da necessidade da pauta como elemento essencial da produção jornalística. Desde de 1980, Cristina já atuava como professora em instituições como Faculdade da Cidade, Faculdade Helio Alonso, Universidade Veiga de Almeida e Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Em 2005, ingressou como professora adjunta na Escola de Comunicação da UFRJ.

Como docente de disciplinas técnicas na área de telejornalismo e de reportagem, Cristina faz uma crítica as práticas jornalísticas adotadas pelas empresas, desde a pouca valorização da informação jornalística, a definição pelo recorte da pauta, edição e o controle simbólico da informação. Mesmo reconhecendo as mudanças tecnológicas no meio, as novas plataformas que surgem para a produção e veiculação da notícia, Cristina avalia que o profissional de comunicação não deve ser formado para uma determinada plataforma especifica. “Ele tem que ser formado para a função. Para entender a comunicação humana. Ele não pode ser formado para trabalhar em rádio, televisão e online. Tenho que entender o que me faz entrar em contato com outro ser humano”, afirma.

Sobre o trabalho de assessoria, Cristina avalia que os assessores exercem uma função de controle da informação, usando medidas de precaução para que seus clientes não se exponham. Para a professora Cristina, isso não pode ser considerado uma prática jornalística, mas como uma atividade de Relações Públicas da Informação. Algumas dessas práticas estão presentes em empresas jornalísticas e não são exclusividade das assessorias.

Atualmente, Cristina Rego Monteiro é vice-diretora da Escola de Comunicação. Na sua trajetória como professora, atua como coordenadora da Central de Produção Multimídia da UFRJ, ministra as disciplinas de Técnicas de Reportagem, Telejornalismo II e Jornalismo em Mídias Digitais e orienta projetos de extensão, de pesquisa e trabalhos de conclusão de curso.